ilustração de diversidade na gestão laboratorial

Gestão laboratorial: 3 passos iniciais para a eficiência

O que faz um bom líder de gestão laboratorial? Confira as principais atividades a seguir!

A gestão laboratorial de qualquer natureza é uma tarefa complexa que requer responsabilidade, capacidade e organização. Como em qualquer empresa, saber utilizar de maneira eficiente os recursos disponíveis é essencial para a saúde do laboratório.

Confira nesse post o que é e alguns passos para atingir uma boa gestão laboratorial!

O que é gestão laboratorial?

A gestão laboratorial concentra-se na tarefa de integrar e coordenar recursos organizacionais, para que os serviços laboratoriais sejam desempenhados com a maior qualidade, segurança e menor custo possível. Dessa maneira, um termo chave a ser levado em consideração por qualquer gestor de laboratório é a eficiência de suas operações.

As atividades de gestão laboratorial não estão limitadas aos equipamentos nem à administração dos recursos humanos empregados pelo laboratório. O bom gerenciamento de um laboratório sempre levará em conta também questões financeiras e de ordem legal, bem como dará a devida importância aos parâmetros sociais, ambientais e de governança corporativa (ESG).

Para atingir níveis de excelência em seus laboratórios, é imprescindível que gestores façam uso de um Sistema de Gestão da Qualidade, como veremos a seguir.

Gestão da Qualidade no contexto laboratorial

A gestão da qualidade é um ponto focal amplamente observado por gestores de laboratórios para garantir a consistência de seus serviços, produtos e da organização como um todo. Sendo assim, a implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade é um passo natural para que qualquer laboratório atinja a excelência em suas operações.

A qualidade pode ser definida como o conjunto de critérios que tornam o serviço ou produto apto para os fins aos quais foi designado

Tratando-se de Sistema de Gestão da Qualidade, o conjunto de critérios mais conhecido pelas organizações em geral é a ISO 9001, cujos certificadores são credenciados pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (INMETRO).

A ISO 9001, entretanto, deve ser somente entendida como um pontapé inicial para a gestão da qualidade de um laboratório pois, se por um lado ela garante a padronização dos processos realizados, por outro, ela não especifica quais são os critérios a serem empregados para a manutenção da conformidade dos serviços.

Gestão laboratorial

O Controle de Qualidade laboratorial

Um importante aspecto da gestão da qualidade em laboratórios é o Controle da Qualidade (CQ), definido pela ISO 9001 como tendo foco em atingir os parâmetros de qualidade designados para um determinado produto ou serviço.

No Brasil, é a Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) nº 302 de 2005 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária que estabelece os regulamentos técnicos para a operação de laboratórios clínicos. Este documento é central para a operação de laboratórios já estabelecidos e também deve ser utilizado como norte por gestores que desejam montar um novo laboratório.

A RDC 302/2005 traz a necessidade de implementação de dois tipos de programas de Controle da Qualidade por parte dos laboratórios analíticos:

  • Controle Interno da Qualidade (CIQ): realizado em conjunto com as amostras coletadas pelo laboratório, cujo objetivo é mensurar se o sistema analítico obtém resultados dentro da conformidade esperada; 
  • Controle Externo da Qualidade (CEQ): realizado a partir de comparações e análises de proficiência Inter laboratoriais, para a verificação do correto desempenho dos sistemas analíticos.

Gestores que desejam que seus laboratórios sejam referência no setor e ofereçam serviços de excelência devem sempre buscar validações externas. Alguns exemplos de acreditações que garantem bons serviços são aquelas ofertadas pelo Programa de Acreditação de Laboratórios Clínicos (PALC) e pelo Colégio Americano de Patologistas (CAP). 

3 passos para uma boa gestão laboratorial

A tarefa de gerenciar um laboratório se assemelha muito com o gerenciamento de qualquer outro negócio. As atividades de gestão laboratorial não são apenas de ordem técnico-operacional, mas envolvem também questões táticas e estratégicas pertinentes a qualquer empresa bem sucedida.

Sendo assim, confira a seguir 3 passos essenciais a serem observados para a realização de uma boa gestão laboratorial que se estendem para além da gestão técnica!

1. Mapeamento de riscos

Um risco é um evento danoso, com potencial para acontecer. Assim, entender em quais etapas da operação se concentram os maiores riscos é importante para evitar que eles aconteçam. Gestores de laboratório devem possuir um olhar crítico sobre os processos e procedimentos desenvolvidos por sua equipe, de forma a torná-los tão seguros quanto possível.

O mapeamento de riscos começa com a identificação dos riscos presentes na operação. É natural que algumas atividades envolvam mais riscos para o resultado final que outras, entretanto, é essencial que atividades de menor risco não sejam negligenciadas. Dois riscos menores podem impactar mais a operação de modo negativo que um risco maior isolado.

Após a identificação dos riscos, é imprescindível que eles sejam monitorados. O monitoramento pode ser realizado de diferentes maneiras, de acordo com as condições do laboratório: de modo manual ou automatizado, em dispositivos eletrônicos ou com documentação impressa.

Seja como for, uma boa gestão laboratorial envolve necessariamente o monitoramento ativo dos riscos identificados.

Por fim, os riscos devem ser analisados para que uma resposta a eles seja desenvolvida e estabelecida no laboratório, afinal de contas, de nada adianta saber quais e onde se encontram os riscos sem que medidas de controle sejam tomadas.

2. Controle financeiro

Gestores de laboratórios raramente preocupam-se exclusivamente com questões técnicas. Como colocado anteriormente, um laboratório requer controles administrativos tal qual qualquer outra empresa, tornando necessária a correta documentação e interpretação dos dados administrativos.

Muitas vezes, a administração de empresas não é a formação principal dos gestores de laboratórios, o que os indica para o caminho da aquisição destes conhecimentos tão pertinentes à maximização do lucro e do bom emprego dos recursos do laboratório.

Administrar é estar atento não somente às tarefas e a estrutura do laboratório, mas também às pessoas, ao ambiente e à maneira com que todos estes elementos estabelecem uma relação funcional.

3. Liderança de equipes

Ao se deparar com sua própria responsabilidade por um grupo de pessoas, gestores podem se perguntar: o que é ser um líder?

Muitas respostas podem surgir a partir deste questionamento, mas certamente as mais adequadas são aquelas centradas na intersecção entre o bem comum dos colaboradores e os objetivos do laboratório.

Algumas das habilidades mais importantes para líderes são:

  • Comunicar-se de maneira eficiente, capaz de transmitir os apontamentos necessários e aumentar a moral da equipe;
  • Gerenciar projetos, para que o time esteja alinhado com os objetivos, entregáveis e metodologias corretas;
  • Gerenciamento de prioridades conflitantes para evitar atribuições cruzadas e retrabalho, direcionando e aumentando a eficácia do trabalho dos colaboradores.

Dessa forma, trabalhar como um líder é conduzir um grupo de pessoas de forma ética e com estratégias claras, os motivando a atingir os objetivos e resultados da organização. Ou seja,  a liderança é ter visão das oportunidades e qual caminho deve ser seguido pelo time para que todos evoluam de forma conjunta

Conclusão

A gestão laboratorial é uma tarefa que envolve múltiplas frentes de atuação, que permitem ao laboratório funcionar com segurança, qualidade e eficácia. Isso significa envisionar uma organização com excelência na execução das técnicas empregadas, do controle legal, administrativo e das formas complexas com que estes aspectos se relacionam.

Sistemas de Gestão da Qualidade permitem a reprodutibilidade das atividades executadas para que o serviço final seja exatamente aquele ao qual o laboratório se dedica a ofertar. 

Além disso, a gestão laboratorial requer líderes capazes de desbravar o caminho do sucesso, cuidando dos colaboradores bem como dos parâmetros administrativos necessários ao bom funcionamento do laboratório!