HPV e Câncer: Qual é a Relação?

HPV é uma das Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) mais frequentes do mundo e sua infecção está relacionada ao desenvolvimento de câncer. Entenda!
hpv e câncer

Papilomavírus Humano (HPV) são vírus de grande circulação, principalmente entre pessoas sexualmente ativas. A infecção por estes vírus é geralmente benigna, entretanto, alguns tipos deles são responsáveis por uma associação direta entre HPV e câncer.

Ficou interessado? Acompanhe o texto para descobrir detalhes sobre a relação do HPV e câncer do colo do útero, bem como com outros tipos de câncer. Além disso, falamos sobre tratamentos, prevenção e modos de transmissão.

O que é o Papilomavírus Humano (HPV)?

Os Papilomavírus Humanos (HPV) são vírus capazes de produzir lesões na pele e em outros tecidos, como o do colo do útero, onde alguns de seus tipos podem causar o câncer cervical. 

Estes são vírus não envelopados que contam com um capsídeo icosaédrico altamente estável e resistente à degradação química/enzimática. Todos os papilomavírus humanos possuem genoma circular composto por ssDNAs de aproximadamente 8kpb. 

Além disso, o material genético de todos os mais de 200 tipos de HPV encoda duas proteínas de replicação (E1 e E2) e duas proteínas do capsídeo (L1 e L2), que possuem tropismo por epitélios escamosos. 

Nestes epitélios, a replicação dos vírus gera lesões anatômicas específicas. Na pele, por exemplo, algumas espécies de HPV dão origem à verrugas, que são neoplasias benignas. No cérvix, por outro lado, as lesões podem gerar neoplasias de alto grau, ou seja, tumores compostos por células altamente indiferenciadas.

esquema da capacidade infecciosa do hpv
A capacidade do HPV de infectar, replicar e conduzir a progressão do câncer depende da função da proteína viral, da posição no epitélio onde essas proteínas são expressas e se a expressão do gene viral é adequadamente controlada em um local epitelial específico. As proteínas E6 e E7 estão especificamente envolvidas com a desregulação do ciclo celular no câncer. (Mcbride, 2021)

HPV e câncer de colo do útero

A infecção por HPV e câncer de colo de útero são doenças amplamente associadas. A replicação destes vírus no tecido cervical pode produzir lesões neoplásicas de alto grau/carcinomas.

Um subconjunto de alfa-papilomavírus está associado ao câncer. O genoma destas espécies contém os oncogenes E6 e E7, que promovem proliferação celular não programada e inativa os pontos de controle do ciclo celular quando expressos.

Isso leva à instabilidade genética, pois as células infectadas acumulam mutações que promovem a carcinogênese. Uma das proteínas do hospedeiro afetadas pela infecção por HPV é a p53, que atua como uma sentinela da progressão tumoral em mamíferos.

Virtualmente, a coocorrência de HPV e câncer de colo do útero acontece em todos os casos desta doença no mundo, embora nem todos que entram em contato com o vírus acabam por desenvolver a doença.

Esta é uma doença de grande incidência: segundo o GLOBOCAN, mais de 600.000 novos casos foram registrados somente em 2020. Além disso, a taxa de sobrevida do câncer cervical depende do estágio em que a doença é diagnosticada, variando entre 50% e 90%.

A coocorrência de HPV e câncer pode acontecer pela infecção de espécies de alto risco.

Quais são os tipos de HPV mais relacionados ao câncer de colo de útero?

•HPV-16;
•HPV-18;
•HPV-31;
•HPV-33;
•HPV-35;
•HPV-45.

Destes, o HPV-16 e o HPV-18 são responsáveis por cerca de 50% de todos os casos de neoplasias de alto grau, o que está relacionado com piores prognósticos. Estas tipos também são responsáveis por cerca de 70% dos cânceres cervicais. 

infecção por HPV

Como veremos na sequência, o HPV é transmitido principalmente através do contato sexual, sendo esta a Infecção Sexualmente Transmissível mais comum do mundo.

Qual a relação entre HPV e câncer?

Além do câncer cervical, alguns tipos de HPV aumentam o risco de desenvolvimento de outros tipos de câncer também. Cerca de 90% de todos os casos de câncer anal e câncer anogenital podem ser atribuídos à infecção por HPV.

Em outros tipos de câncer, ainda, como os de vulva e de pênis, a presença do HPV é identificada em aproximadamente metade de todos os casos. Além disso, estes agentes biológicos são responsáveis por quase um terço de todos os casos de câncer de orofaringe.

Dessa forma, entender a relação entre HPV e câncer é fundamental para que o controle da infecção pelo vírus ocorra. Embora vacinas estejam disponíveis, as doenças oncológicas provocados pelo papilomavírus humano continuam sendo um problema de proporções globais, ainda que estes casos sejam atravessados por determinantes econômicos e sociais.

Sintomas de HPV

HPVs são vírus abundantes entre as pessoas sexualmente ativas e são responsáveis pela manifestação de verrugas, que são lesões cutâneas normalmente benignas. Estas neoplasias benignas podem acometer as mãos, os pés (inclusive a planta), joelhos, cotovelos e regiões genitais. 

Mais raramente, as verrugas podem surgir sob as unhas e no rosto. Além disso, a maior parte dos casos de infecção por eles é assintomática e autolimitada.

A inexistência de sintomas se mantém verdadeira para os estágios iniciais das lesões malignas causadas pelo HPV. No câncer cervical, por exemplo, sintomas como o sangramento vaginal costumam surgir apenas após a progressão da doença.

Nos casos em que as lesões são aparentes, como no câncer de vulva e de pênis, os sinais e sintomas podem incluir:

  • Coceira, queimação e sangramento da região afetada;
  • Mudanças na cor e na composição do epitélio, o que se manifesta de maneira semelhante às verrugas;
  • Dores ao urinar ou durante o contato sexual.

Adicionalmente, estágios avançados do câncer costumam produzir sinais e sintomas que se assemelham, especialmente após a infiltração e a metástase. Alguns destes sinais e sintomas são:

  • Dores corporais;
  • Fadiga;
  • Perda do apetite;
  • Perda de peso.

Transmissão e prevenção

A transmissão do HPV acontece através do contato com vírions liberados da superfície escamosa do epitélio infectado. Enquanto os tipos cutâneos são transmitidos pelo contato de um epitélio exposto ao vírus, o que pode acontecer entre pessoas ou entre um indivíduo e superfícies contaminadas (fômites).

Por sua vez, as espécies de HPV de alto risco, em especial aquelas relacionadas com o desenvolvimento do câncer, são transmitidas pelo contato sexual desprotegido. De maneira semelhante o contato abrasivo entre uma mucosa saudável e outra, infectada, resulta na transmissão do vírus. 

Em geral, a infecção por HPV é extremamente comum, especialmente ao considerarmos ambas as infecções por espécies de alto e baixo risco. 

Como colocado anteriormente, o HPV é a Infecção Sexualmente Transmissível (IST) mais comum do mundo. Apesar disso, vacinas contra alguns tipos de HPV de alto risco estão disponíveis há mais de uma década.

No Brasil, especificamente, uma vacina quadrivalente é oferecida através do Plano Nacional de Imunização (PNI) do SUS. Eficaz na prevenção individual e coletiva, esta vacina foi arquitetada contra os tipos 6, 11, 16 e 18.

Tratamento do HPV

A maior parte das lesões geradas por HPV são autolimitadas e não requerem terapias de nenhum tipo. Quando manifestadas em lugares incômodos, como a planta dos pés, o uso de medicamentos como o ácido salicílico podem ser prescritos para a resolução do caso.

Lesões pré-cancerosas em epitélios como o do cérvix são removidas por técnicas de ablação que incluem a vaporização a laser, crioterapia ou excisão eletrocirúrgica. O câncer associado ao HPV é tratado com procedimentos cirúrgicos, quimio e radioterapia, de maneira similar ao que ocorre em outros tipos de câncer.

Conclusão

O HPV é um vírus de DNA de fita dupla com mais de 200 espécies identificadas. A infecção por este vírus pode resultar no surgimento de tumores, cuja gravidade está associada ao epitélio afetado, bem como ao tipo de HPV ali presente.

Estes vírus estão presentes de maneira disseminada entre os seres humanos, afinal de contas eles são responsáveis pelas verrugas comuns que todos conhecemos. Além disso, o HPV é a Infecção Sexualmente Transmissível de maior incidência no planeta.

A coocorrência de HPV e câncer de colo de útero ocorre em praticamente todos os casos desta doença. Além disso, HPV e câncer é uma associação verdadeira para outros tipos de câncer, como o de vulva, de pênis e o câncer anogenital também sejam de grande relevância epidemiológica.

Referências

Bamford, D.; Zuckerman, M. Encyclopaedia of Virology, 4ª ed. Academic Press, 2021.

de Carvalho, N. S. et al. Protocolo Brasileiro para Infecções Sexualmente Transmissíveis 2020: infecção pelo papilomavírus humano (HPV). Epidemiol. Serv. Saúde, 2021.

Kombe, A. J. K. et al. 1) Epidemiology and Burden of Human Papillomavirus and Related Diseases, Molecular Pathogenesis, and Vaccine Evaluation. Frontiers in Public Health, 2021.

Schiffman, M. et al. Carcinogenic human papillomavirus infection. Nature, 2016.

Egawa, N. et al. Human Papillomaviruses; Epithelial Tropisms, and the Development of Neoplasia. Viruses, 2015.

Relacionados